Prevenção do câncer de colo do útero | Busca Saúde
  • Bairros
  • Atividades / Especialidades
Home Login | Contato | Faça Parte
  • Facebook Busca Saúde
    fans
  • Twitter Busca Saúde
    Siga nosso Twitter
  • RSS Busca Saúde
    RSS

Redes Sociais


Matérias mais lidas

Prevenção do câncer de colo do útero

12345 (1 voto(s), média: 5,00)
Loading ... Loading ...

O que é o colo do útero?
O colo do útero, também chamado de cérvix,  é a porção mais distal do útero que se localiza próximo a vagina estendendo-se em formato cônico, ocupando o terço superior da vagina, onde é possível ser visto através do exame especular. O colo do útero conecta a vagina (canal de parto) ao corpo do útero, local onde o feto cresce quando a mulher está grávida.

O que é o câncer do colo do útero?
Câncer é a doença na qual células do corpo crescem fora de controle. Quando o câncer inicia-se na cérvix ,  ele é chamado câncer do colo do útero ou cervical. Este é o câncer ginecológico mais fácil de ser prevenido com testes de rastreamento e seguimento. Também tem altas taxas de cura quando encontrado e tratado precocemente.

Figura: Colo do útero com câncer invasor (as lesões mais rosadas e friáveis, sangrando):

Quem pode ter câncer do colo do útero?
Todas as mulheres podem ter câncer do colo do útero. Ele ocorre mais frequentemente em mulheres com mais de 30 anos. No Brasil, há aproximadamente 19.000 novos casos por ano.

O que causa o câncer do colo do útero?
O papiloma vírus humano (HPV) é o principal causador desta doença, sendo responsável por aproximadamente 90% dos casos. O HPV é um vírus muito comum que se transmite de pessoa a pessoa principalmente durante o sexo, mas é possível contaminar-se de outras maneiras desconhecidas, já que existem pessoas com HPV que nunca tiveram relações sexuais. Entre 50 e 80% das pessoas sexualmente ativas vão ter contato com o HPV em algum momento da vida e apenas algumas pessoas vão apresentar câncer cervical.

Quais são os sintomas?
Durante vários anos, células normais vão se transformando em anormais e então em câncer devido a ação oncogênica do HPV. Não se pode ver ou sentir estas mudanças celulares. Portanto no início não existem sintomas, a doença é silenciosa. Nas fases mais avançadas podem haver sintomas: corrimento, sangramento anormal, como após as relações sexuais, odor ou dor. Se você tem algum destes sintomas deve procurar o seu médico. Os sintomas podem ter outras causas, mas devem ser investigados.

Por que fazer o rastreamento?
Como o câncer do colo do útero não apresenta sintomas até estar avançado, é necessário realizar os exames mesmo quando a mulher não tem queixas.

Como é feito o rastreamento?
O exame preventivo ou de papanicolau ou colpocitologia é o principal componente do rastreamento. Ele tem como objetivo procurar células anormais no colo do útero que podem se transformar em câncer com o tempo ou que já representam o câncer. Ele é chamado de preventivo porque os problemas podem ser encontrados e tratados antes que se transformem em câncer.

Para realizar a coleta do exame de papanicolau, também chamado de citologia oncótica ou citologia líquida, a mulher precisa ir ao ginecologista que irá conversar sobre alguns assuntos e então vai realizar o exame físico e a coleta. A mulher vai assumir a posição ginecológica, deitada, com as pernas afastadas e dobradas, o médico vai inserir o espéculo (aparelho usado para abrir o canal vaginal, e que algumas mulheres chamam de bico de pato) e vai localizar o colo do útero.

O médico faz uma raspagem leve, com o uso de uma espátula e uma escovinha endocervical, das superfícies interna e externa do colo do útero para colher uma amostra de células. A amostra é colocada em uma lâmina ou lavada em um líquido especial, no caso da citologia líquida, e levada ao laboratório. Lá, sob a ação de um corante chamado papanicolau, ou com o auxílio de uma máquina especial, no caso da citologia líquida, é possível ver se há alterações.

Também são exames de rastreamento a colposcopia e a pesquisa específica para o vírus HPV. No sistema público de saúde não são realizados com freqüência, mas os estudos científicos mostram que a associação destes exames aumenta a chance de detectar o câncer e as lesões pré-neoplásicas precocemente, mas encarece o rastreamento.

A colposcopia observa o colo do útero sob visão microscópica utilizando-se de líquidos corantes que auxiliam a detecção de lesões suspeitas que são biopsiadas.

Existem vários exames para pesquisar o HPV, mas o mais comum é a captura híbrida para HPV. Este exame detecta a presença de DNA viral e não é capaz de detectar todos os subtipos de HPV, apenas os mais comuns.

Qual o objetivo do rastreamento?
Os exames de rastreamento pretendem encontrar as lesões pré neoplásicas, ou seja, lesões que não são câncer, mas que podem evoluir e transformar-se em câncer. Eles não podem verificar sinais iniciais de outros cânceres, exceto o câncer de endométrio em raros casos. Também não podem verificar a fertilidade, nem a presença de outras doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), apesar de algumas vezes conterem também a descrição de microorganismos.

Quando realizar o rastreamento?
A colpocitologia, preventivo ou papanicolau é o exame mais confiável e efetivo para prevenção de câncer atualmente. As mulheres devem iniciar a coleta regular deste exame aos 21 anos de idade ou 3 anos após o início das atividades sexuais, aquilo que ocorrer antes. O exame para HPV geralmente é associado ao rastreamento, juntamente com o exame de papanicolau, em mulheres com 30 anos ou mais. Também é usado quando são necessárias mais informações diante de um exame de papanicolau inconclusivo ou alterado.

Em alguns casos específicos os exames podem ser mais espaçados, mas em geral, recomenda-se o rastreamento anual. Mesmo quando os exames de rastreamento são mais espaçados, é essencial o exame físico pélvico anual.

Quais são os fatores que aumentam o risco de câncer do colo do útero?
Aproximadamente 90% dos cânceres cervicais são causados pelo HPV. Há maior risco de contaminar-se com HPV quando há início precoce das atividades sexuais ou quando você ou seu parceiro tem ou teve relações sexuais com várias pessoas. Entretanto qualquer mulher que já manteve relações sexuais tem risco de ter contraído HPV.

Existem mais de 100 subtipos de HPV. Geralmente há cura espontânea em até 2 anos, mas se isto não ocorrer, o vírus pode causar o câncer do colo do útero com o passar do tempo.

Há outros fatores que, associados a infecção por HPV, aumentam o risco de câncer cervical como o tabagismo e a imunodepressão.

Como posso prevenir o câncer do colo do útero?
1. Vacinar-se contra o HPV. A vacina protege contra os subtipos que são os causadores mais freqüentes do câncer cervical, vaginal e vulvar. Consiste em 3 doses. A vacina é recomendada para adolecentes entre 11 e 12 anos de idade, mas pode ser usada por mulheres com idades entre 9 e 26 anos. Em vários países a vacina já está liberada para mulheres de até 54 anos. Converse com o seu médico para saber se você pode receber a vacina.
2. Visitar o seu médico regularmente para realizar o exame de Papanicolau que pode identificar lesões pré neoplásicas.
3. Fazer o seguimento com o seu médico se o seu exame de Papanicolau estiver anormal.
4. Não fumar.
5. Usar preservativo durante o sexo (a infecção por HPV ocorre tanto em homens quanto em mulheres em áreas genitais que estão recobertas pelo látex do preservativo e em áreas que não estão recobertas. Apesar do efeito do preservativo em prevenir a infecção pelo HPV ser desconhecido, o uso do preservativo está associado a menores taxas de câncer do colo do útero).
6. Limitar o número de parceiros sexuais.

O que o resultado do meu exame de papanicolau (o mesmo que citologia oncótica ou citologia líquida) significa?
Normal ou negativo para células neoplásicas
• Boa notícia! Não foram encontradas células anormais.
• Manter os exames regulares.
• Novas alterações celulares no seu colo do útero podem aparecer no futuro.
Indeterminado – ASC-US – Inconclusivo
• As células do colo do útero parecem que podem estar normais.
• Não está claro se está relacionado com HPV.
• Pode estar relacionado a mudanças da vida como gestação, menopausa e infecção.
• São necessários mais exames.
Anormal
• Há células anormais no seu colo do útero.
• Geralmente não significa que você tem câncer.
• Geralmente causadas por HPV.
• Baixo grau: podem voltar ao normal espontaneamente.
• Alto grau: podem transformar-se em câncer se não removidas.
• São necessários mais exames.

O que fazer se eu receber o diagnóstico de câncer do colo do útero?
Solicite encaminhamento a um ginecologista oncologista, médico que foi treinado para tratar o câncer do colo do útero. Este médico irá criar um plano de tratamento juntamente com você.

Então vá ao ginecologista, converse com ele e solicite a coleta de seu exame preventivo e orientações quanto a vacina contra o HPV. Esta atitude simples pode salvar a sua vida. Converse também com sua família e amigos para lembrá-los da importância deste exame!


*O conteúdo(textos e imagens) publicados no Busca Saúde são de exclusiva responsabilidade do seu autor, identificado sempre abaixo do artigo.

*O Busca Saúde é um portal de conteúdo e referência, e deverá ser utilizado somente como fonte de informação. Qualquer artigo ou referêcia publicada, nunca substituirá, em hipótese alguma, uma consulta presencial, tratamento ou diagnóstico realizado por um médico ou profissional de saúde. Procure sempre o seu médico para esclarecer qualquer duvida.

Conteúdo relacionado

Cadastre-se no Busca Saúde , e receba conteúdo e informações exclusivas sobre Saúde e Bem Estar. Rápido e fácil. Clique aqui
O Busca Saúde é um portal de conteúdo e referência, e deverá ser utilizado somente como fonte de informação. Qualquer artigo ou referência publicada, nunca substituíra, em hipótese alguma, uma consulta presencial, tratamento ou diagnóstico realizado por um médico ou profissional de saúde. Procure sempre seu médico ou profissional de saúde para esclarecer qualquer dúvida.
© 2010 Busca Saude      Todos os direitos reservados a Busca Saúde. Todo conteúdo não pode ser copiado, publicado ou transmitido sem prévia autorização de seus autores.